Município

MUNICÍPIO

HISTÓRICO

 

 

 

1 – EVOLUÇÃO HISTÓRICA:

No final do século XIX, a região era conhecida por “Estácios”, devido a existência de um Porto Fluvial às margens direita do Rio Iguaçu, conhecido como Porto dos Estácios,  Pois em 1871, instalou-se à margem esquerda do Rio Macacos, afluente do Rio Iguaçu, o cidadão Manoel Estácio de Paula , sendo o primeiro habitante da região. Mais tarde com a penetração e construção da Estrada de ferro, São Paulo/Rio Grande (SPRG) e posteriormente denominada Rede Viação Paraná Santa Catarina (RVPSC), construiu-se uma estação ferroviária, inaugurada em 26 de fevereiro de 1905, com o nome de Paula Freitas, em homenagem ao ilustre Engenheiro Civil, Dr. Antônio de Paula Freitas,  especialista em estradas de ferro.

 

2 – PRIMEIROS COLONIZADORES:

O processo de desenvolvimento colonizatório, não se deu somente por gaúchos e catarinenses, visto que a região recebeu um grande fluxo heterogêneo de pioneiros que a partir da década de 20, passaram a fixar-se na terra, construindo as primeiras glebas, as primeiras famílias e efetivamente um povoado. E, entre as primeiras famílias, cita-se: Estácios, Marés de Souza, Gasparin, Lara, Cordeiro, Marques, Afonso, Bueno, Schwartz, Gabardo, Hermann e outras tantas que transformaram a região em um dos baluartes civilizatórios do sertão Paranaense.

 

3 – EVOLUÇÃO E CRIAÇÃO DO MUNICÍPIO:

     No início da povoação, dado a leva de imigrantes poloneses, fundou-se a Colônia de Carazinho, mais tarde “Distrito de Carazinho”.

No decorrer do tempo, dado a instalação de Engenhos para exploração de madeira (serrarias), construídas próximo ao Rio Iguaçu, no sentido de facilitar o transporte, através de embarcações fluviais, (pequenos vapores movidos a locomóveis) e mais tarde a estação ferroviária. A sede distrital passou a funcionar na Vila de Paula Freitas, em virtude dos acessos e meios de comunicações serem mais acessíveis a outras Comunidades.

Em janeiro de 1940, o povoado passou a categoria de Vila, sendo distrito de União da Vitória, Em 29 de novembro de 1963, foi criado o Município, sendo instalado em  08 de dezembro de 1964, conforme Lei Estadual n.º 4788.

 

 

 

 

 

 

4 – DADOS FÍSICOS E GEOGRÁFICOS:

4.1 – Localização: O Município localiza-se na região sul do Estado do Paraná, micro região do Iguaçu, jurisdicionado à Comarca de União da Vitória, com coordenadas de26º 26’ 15” da latitude sul e 51º 51’ 20” de longitude oeste de Greenwich em relação ao meridiano central e linha do Equador.

4.2 – Área – A área do Município eqüivale a 431,887 km/2, corresponde a 0,2 % da área do Estado.

4.3 – Limites: Limita-se ao norte, nordeste e leste com o Município de Paulo Frontin, sudeste, sul e sudoeste com o Estado de Santa Catarina, (mareado pelo Rio Iguaçu) e, oeste e noroeste com o Município de União da Vitória.

4.4 – Altitude: Sua altitude com referência ao nível do mar é de 754,856 metros;

4.5 – Rios: As principais bacias escoadoras são: Rios: Jararaca, das Antas, Carazinho, Vargem Grande, Rondinha, Macacos e Soldado. Todos afluentes do Rio Iguaçu na divisa com o Estado de Santa Catarina.

4.6 – Clima: O clima é subtropical úmido Mesotérmico, verões frescos  a diferença entre a máxima e a mínima é de 7º a 18º C., invernos com ocorrências de geadas severas e freqüentes, temperatura média inferior a 18ºC. Não apresenta estação seca;

4.8 – Pluviosidade: média anual 198,66 mm

menor precipitação: 46 mm               mês de ocorrência: março

maior precipitação: 438 mm              mês de ocorrência: outubro

4.9– Fauna: Ainda se encontra veados, catetos, pacas, capivaras, quati, cotias, tamanduás, guarás, gambás, lebres, jaguatiricas, lontras, pacussus etc. e pássaros como: tucanos, jacu, periquitos, papagaios, sabiás, gralhas, urus, nambus, pombas rolas, e migratórias, canários, joão-de-barro, e outros. Entre os peixes, em todos os rios mencionados no item 4.7, encontra-se traíra, bagre, cará, lambari, carpas, bocudos e cascudos.

 

4.10 – Flora:  No Município encontra-se ainda mata nativa como: araucária, cedro, imbuía, canela, timbó, sassafrás, sapopema, pessegueiro bravo e diversas outras árvores consideradas madeira branca, e como fonte comercial temos a erva-mate, abundante no Município. Matas naturais 11.150 ha

4.11 – Solo – O solo é 80% cambissolo e 20% composto de terra bruna, latosolo, litólico, podzólico e hidromórfico. (Pva 11 podzólico vermelho – amarelo álico Tb – formados da decomposição de Tilitos, varvitos, locssitos, formação palmeira, do grupo Tubarão e das camadas areno-argilosos. Ca 3 cambissolo Alico Tb – proeminente textura argiloso de relevo, suave ondulado, de vertente curta, substratos silticos, argilitos e folhetos. Ca 27 associação cambissolo álico Tb – a proeminente relevo ondulado substrato folhetos silticos + Rubrozem relevo suave ondulado ambos textura argiloso. Ca 34 associação cambissolo álico Tb – podzólico textura argilosa substrato folhetos silticos + solos litólicos álicos textura média substrato arenitos e siltitos ambos de relevo ondulado). Paula Freitas caracteriza-se por solo com ph reduzido ou seja, ácido, necessitando de aplicação corretiva em toda sua área, sendo que o mesmo ocorre no que diz respeito a presença de microelementos como fósforo havendo também a necessidade de correção. Extrai-se, pedra, argila e areia, este último das margens dos rios e também dos leitos, sobretudo do Rio Iguaçu.

4.12 – Relevo: Formado por Planalto e Planícies.

Planície: banhado a maior parte pelo Rio Iguaçu;

Planalto: parte mais alta do Município, norte, noroeste com a Serra da Esperança, passa nas localidades de Vargem Grande e Colônia Macacos.

de seus funcionários mantém instruções permanentes para uso, conservação e preservação do solo e meio ambiente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5 – MANIFESTAÇÕES POPULARES:

  • Festa Regional da Melancia (fevereiro)
  • Aniversário do Município: 08 de dezembro;
  • São Carlos Borromeu (Padroeiro) 04 de novembro.

 

5.1

  • Ilha dos Navegantes – Rio Iguaçu – Localidade de Poço Preto;
  • Parque Guairacá. – Centro Esportivo com: Ginásio Municipal de Esportes, Cancha de Bocha, quadra de areia de vôlei, campo de futebol suíço e campo de futebol. Local onde anualmente é  realizada a Festa Regional da Melancia, por isto, Paula Freitas é conhecida como a Capital da Melancia.

 

6 – PESSOAS ILUSTRES E ARTISTAS :

Pessoas nascidas em Paula Freitas, e que se tornaram ilustres por cargos assumidos, destacam-se

  • Frederico Marés de Souza – Exerceu os cargos de: Deputado Federal , Estadual e Secretário de Estado;
  • João Olivir Gabardo – Deputado Federal, Presidente do Tribunal de Contas e Ouvidor Geral do Estado;
  • Deny Schwartz – Deputado Federal, Ministro dos Transportes e Secretário de Estado;
  • Tony Camargo Artista Plástico
  • Vagner Palamar Artista Plástico
  • Claudia Roiek: Modelo
  • Késia Santos-Cantora Gospel

 

“SÍMBOLOS  MUNICIPAIS”

 

                             De conformidade com a Lei  Municipal n.º 122/72 de 04 de outubro de 1972, sancionada pelo então Prefeito, Sr. Zigmondo Wieszkow, foram criados e autorizados a confecção dos seguintes  Símbolos Municipais:

  1. BANDEIRA MUNICIPAL;
  2. HINO MUNICIPAL e
  3. BRASÃO MUNICIPAL.

 

BANDEIRA MUNICIPAL

 

  1. – A Bandeira Municipal de Paula Freitas, de autoria do heraldista Professor Arcinoé Antonio Peixoto de Faria, da Enciclopédia Heráldica Municipalista, é terciada de faixas, sendo: Duas faixas laterais de azul, de seis módulos de largura e a central de branco, carregada de sobre-faixa vermelha de dois módulos de largura. A talha é constituída de um retângulo em pala de cinco módulos em branco, onde o brasão Municipal é aplicado;
  2. – De conformidade com a tradição da heráldica portuguesa, da qual herdamos os cânones e regras, as Bandeiras Municipais, podem ser oitavadas, sextavadas, esquateladas ou terciadas, tendo por cores as mesmas constantes do campo do escudo e ostentando ao centro ou na tralha uma figura geométrica, onde o Brasão Municipal é aplicado;
  3. – A Bandeira de Paula Freitas obedece a regra geral. É terciada em faixa. O Brasão aplicado na Bandeira, representa o Governo Municipal. E, o grande retângulo branco firmado na tralha onde é contido, representa a própria Cidade do Município. A cor branca é símbolo de paz, amizade, trabalho, prosperidade, pureza e religiosidade. A faixa branca central, carregada de sobre-faixa vermelha, representa o Poder Municipal, que se expande a todos os quadrantes do seu território. A cor vermelha é símbolo de dedicação, amor pátrio, audácia, intrepidez, coragem e valentia;
  4. – As faixas laterais de azul, representam as propriedades rurais existentes no território Municipal, a cor azul é símbolo de justiça, nobreza, perseverança, zelo e lealdade;
  5. – Outras regras referentes a Bandeira Municipal, quanto a dimensão, reprodução, instalação, inauguração, incineração, hasteamento, modo e uso nas repartições públicas e datas cívicas, estão regulamentados pelos Artigos e Parágrafos da Lei 122/72

 

 

HINO MUNICIPAL

 

  1. – O Hino Municipal foi instituído pela Lei n.º 122/72, regulamentado e criado pelo Decreto n.º 003/90 de 19 de fevereiro de 1990;
  2. – A letra e música foi autoria de Sebastião Lima e José Carlos Pereira, gravado pela Banda da polícia Militar do Paraná.

 

 

LETRA:

 

Paula Freitas o valente pioneiro

Adentrou o agreste sertão

E com a fibra de heróico vanguardeiro

Fez surgir nova civilização

Lá do alto da Serra da Esperança

Anteviu um futuro sem par

E esta Terra de paz e bonança

É o meu berço que sempre hei de amar

 

(Estribilho)

Paula Freitas jardim virente

O teu solo é um amplo altar

Onde a brava e boa gente

Todo dia vem rezar

Os rosários de semente

Pelas mãos a deslizar

São as preces do presente

Que o porvir vai germinar

 

Quanto amor na ideal trajetória

Da semente eclodindo feliz

Transformando o labor em vitória

Do teu filho que te ama e bendiz

O Iguaçu caudaloso a irrigar

As riquezas que brotam do chão

E São Carlos a abençoar

Paula Freitas do meu coração.

 

(Estribilho)

 

 

BRASÃO MUNICIPAL

 

De acordo com o Art. 19º da Lei Municipal n.º 122/72, o Brasão de Armas de Paula Freitas, é de autoria do heraldista, Professor Arcinoé Antonio Peixoto de Faria da Enciclopédia Heráldica Municipalista. É descrito em termos próprios de heráldica da seguinte forma: Escudo samnítico  encimado pela coroa mural de seis torres de argente e iluminada de goles, em campo de argente, posta em abismo, a panóplia constituída de dois pavilhões entrecruzados, o primeiro faixado de vermelho e branco, e o segundo de azul e vermelho, tendo este ao topo o símbolo de Unidade Federativa das Repúblicas Socialistas Soviéticas, encimadas de duas mãos  virís de carnação que se apertam. Flanqueados a dextra e sinistra , dois arados manuais de sable. Ao termo, um aguado de bláu e ondado de argente. Como apoios de escudo, hastes de arroz e canas de milho ao natural, entrecruzadas em ponta, sobre as quais se sobrepõe um listel de góles, contendo em letras argentinas o topônimo identificados “Paula Freitas”, ladeados pelos milésimos “1927 a 1964”.

 

INTERPRETAÇÃO SIMBÓLICA

 

  1. – O escudo samnítico, usado para representar o brasão de Armas de Paula Freitas, foi o primeiro estilo de escudo introduzido em Portugal por influência francesa, herdado pela heráldica brasileira como evocativo da raça colonizadora e principal formador de nossa Nacionalidade;
  2. – A coroa mural que sobrepõe é o símbolo universal dos brasões de domínio que, sendo de argente (prata), de seis torres das quais apenas quatro são visíveis em perspectiva no desenho, classifica a cidade, representada na terceira grandeza (Sede Municipal);
  3. – O metal argente (prata) do campo do escudo, é símbolo de paz, amizade, trabalho, prosperidade, pureza e religiosidade;
  4. – A panóplia posta em abismo (centro ou coração do escudo), constituída pelos Pavilhões entrecruzados da Polônia e da Ucrânia, encimada pelas mãos viris de carnação que se apertam, é o símbolo da união e da amizade. É uma homenagem aos imigrantes dessas nações que, integrados na comunidade brasileira, vieram a constituir o núcleo colonizador de onde surgiria a cidade de Paula Freitas;
  5. – Os arados manuais de sable (preto) lembram no Brasão que a economia Municipal é baseada na agricultura;
  6. A cor sable (preto), é símbolo da prudência, sabedoria, moderação, austeridade, ciência, firmeza e caráter;
  7. – Ao termo (parte inferior) do escudo, o aguado de bláu (azul) e ondado de argente (prata), representa o Rio Iguaçu, às margens do qual ergue-se a cidade;
  8. – A cor bláu ( azul) é símbolo de justiça, nobreza, perseverança, zelo e lealdade;
  9. – Nos ornamentos exteriores, as hastes de arroz e canas de  milho ao natural, indicam os principais produtos oriúndos da terra dadivosa e fértil;
  10. – No listel de góles (vermelho), cor simbólica da dedicação, amor pátrio, audácia, intrepidez, coragem e valentia, inscreve-se o topônimo indicador em letras argentinas (prateadas): “ PAULA FREITAS”, ladeados pelo milésimos “1927” da criação do Distrito e “1964” da instalação do Município.

 

Quanto a reprodução de Brasões e/ou disponibilidades à Comendas e demais usos estão regulamentados pela Lei.

 

PODER EXECUTIVO E LEGISLATIVO MUNICIPAL

 

1964 A 1968

PREFEITO: Mauro de Oliveira Cavallin

VICE PREFEITO: Henrique Estácio da Silva

VEREADORES:

Zigmondo Wieszkon

Paulo Ider Hermann

José Gruba

José Sebastião da Rocha

Darcy Silvestre Bueno

José Buchta

Artur Loth

Júlio José Cordeiro

Atílio Estácio de Paula

 

1969 a 1972

PREFEITO: Zigmondo Wieszkow

VICE PREFEITO: José Rocha

VEREADORES:

Paulo Ider Hermann

José Jacir Pavoski

Antonio Marques Batista

João de Paula Cordeiro

Alfredo Lachowski

Romário Cordeiro Marques

Miguel Kmita Neto

Artur Loth

Lino Carlos Loth

 

 

1973 a 1976

PREFEITO: Amadeu Olivette

VICE PREFEITO: Mauro de Oliveira Cavallin

VEREADORES:

Adilson Luiz Olivette

Clotário Cordeiro

Francisco Maturizem

Pedro Valdomiro Kmita

Antonio Machiniski

Alceu A Loth Teixeira

Antonio Marques Batista

Carlos Magno da Rocha

João Maturizem

 

1977 a 1982

PREFEITO: Generoso Daniel de Lara

VICE PREFEITO: Jorge Jamil Gabardo

VEREADORES:

Vitor Kmita Sobrinho

Francisco Maturizrem

Theodoro Kowalhuki

Romário Cordeiro Marques

Valdevino Bazzi

Osvaldo Carneiro de Campos

Júlio José Cordeiro

João Batista Matorizem

Pedro Valdomiro Kmita

Teodoro Tencyna (Substituto)

 

1983 a 1988

PREFEITO:  Jorge Jamil Gabardo

VICE PREFEITO: Antonio M. Batista

VEREADORES:

Carlos Magno da Rocha

Estefano Senkiu

João de Paula Cordeiro

João Severo Bueno Cavalheiro

Luiz Sérgio Carneiro de Campos

Valdivino Bazzi

Antonio Bueno Pinto

Arnaldo Procópio

Luiz Carlos Marques Franco

Santinor Estácio de Paula (substituto)

José Nivaldo Cordeiro (substituto)

 

1989 a 1992

PREFEITO: Generoso Daniel de Lara

VICE PREFEITO: Joaquim Marques Franco

VEREADORES:

Mauro Feliz dos Santos

Dário Fussinger

José Nivaldo Cordeiro

João Matorizem

Getúlio Angelino dos Santos

Victor Schuede

João Severo Cavalheiro Bueno

Ary Florentino Loth

Sérgio Gilberto Procópio

 

1993 a 1996

PREFEITO: Jorge Jamil Gabardo

VICE PREFEITO: Adilson Luiz Olivette

VEREADORES:

Clemente Querino Cortellini

Antonio Bueno Pinto

Ary Florentino Loth

Luiz Sérgio Carneiro de Campos

João Batista Matorizem

Sérgio Gilberto Procópio

Carlos Darci Nierotka

Gélson Levi Olivette

Eduardo Sterleski

 

 

 

 

 

 

1997 a 2000

PREFEITO: Valdemar Antonio Capeleti

VICE PREFEITO: Gélson Levi Olivette

VEREADORES:

Clemente Querino Cortellini

Antonio Bueno Pinto

Luiz Carlos Ferreira de Lima

Luiz Sérgio Carneiro de Campos

Carlos Alberto Loth

Nicanor Rodrigues Cordeiro

Antonio Javorinski

José Kuroski

Valdivino Bazzi

Eduardo Sterleski (Substituto)

 

2001 a 2004

PREFEITO: Valdemar Antonio Capeleti

VICE PREFEITO : Luiz Sérgio Carneiro de Campos

VEREADORES:

Antonio Bueno Pinto
Antonio Emiliano Paulek
Carlos Alberto Loth
Celso Rodrigues
Eduardo Sterleski
Fabiano José Bueno
Ideraldo Luiz Iucker
José Edegar Kmita
Luiz Carlos Ferreira de Lima

 

 

2005 a 2008

PREFEITO: Paulo Henrique Matos de Almeida

VICE PREFEITO: Mauro Feliz dos Santos

VEREADORES:

Clemente Querino Cortellini (2005/2006)
César Augusto Fenker
Fabiano José Bueno
José Edegar Kmita
João Dozorec
Luiz Sérgio Oleksichen
Sebastião Algacir Dalpra
Valdenir José Sokoloski
Vicente Bischoff (Substituto 2007/2008)
Wilsom Glovaski
Lucas Carneiro de Campos ( substituto 2008)
Carmem Lucia Snicer (substituta 2008)

 

 

 

 

 

 

 

 

2009/2012

PREFEITO: Paulo Henrique Matos de Almeida

VICE PREFEITO: Mauro Feliz dos Santos

VEREADORES:

Áurea Celi Bagnhuk Paszko

Davina Zavadski Kovalhuk

Edegar José Kmita (Presidente)

Fabiano José Bueno

Geovana Salete Cordeiro

Laura Tenczyna Haman

Luiz Sérgio Oleksichen

Sebastião Algacir Dalpra

Valdenir José Sokoloski

 

 

 

2013/2016

PREFEITO: Mauro Feliz dos Santos

VICE-PREFEITO: Sebastião Algacir Dalpra

VEREADORES:

Alcides Aparecido de Britto (Presidente do Legislativo 2015/2016)

Celso Gilberto Filisberto

Clemente Querino Cortellini (Presidente do Legislativo 2013/2014)

Edson José de Moura

Osmario de Paula Cordeiro

Mineia de Lourdes Cavalheiro Fusiger

Nelson Luiz Franco

Valdenir José Socoloski

Wilson Glovaski

 

2017/2021

PREFEITO : Valdemar Antonio Capeleti

VICE PREFEITO: IVONE SUSIN GALGAROTO

Alcides Aparecido de Brito                                                                                                            Celso Gilberto Filisberto                                                                                                            Ederson José de Lima                                                                                                                                             Laura Temczyna Haman                                                                                                                                  Luiz Sérgio Oleksichen                                                                                                                                                                                                                                                                                             Nelson Luiz Franco (Presidente do Legislativo 2019/2021)                                                                                                                          Serafim Bueno Pinto                                                                                                                                                                                                                                           Valdenir José Socoloski (Presidente do Legislativo 2017/2018)                                                                              Volmir Geller

PRESIDENTES DO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL DESDE SUA FUNDAÇÃO

Zigmondo Wieszkon (1965 –1966 – 1967 – 1968)

Paulo Ider Hermann ( 1969 – 1970)

Romário C. Marques (1971 –1972)

Alceu Loth Teixeira ( 1973 – 1974)

Adilson Luiz Olivette (1975 – 1976)

Vitor Kmita Sobrinho (1977 – 1978)

Francisco Batista Matorizem (1979 – 1980)

João Maturizem ( 1981 – 1982)

Luiz Carlos Franco(1983 – 1984)

Antonio Bueno Pinto (1985 – 1986 – 1995 – 1996 – 1999 e 2000)

Carlos Magno da Rocha (1987 – 1988)

Mauro Feliz dos Santos (1989 – 1990)

Dário Fussiger (1991 – 1992)

Gélson Levi Olivette ( 1993 – 1994)

Clemente Querino Cortellini  (1997 – 1998)

Ideraldo Luiz Iucker (2001 a 2002)

Fabiano José Bueno (2003 a 2004)

Clemente Querino Cortellini (2005 a 2006)

Luiz Sérgio Oleksichen (2007 a set/2008)

Fabiano José Bueno (set a dez/2008)

Edegar José Kmita (2009/2010)

Luiz Sérgio Oleksichen (2011 – 2012)

Clemente Querino Cortellini (2013-2014)

Alcides Aparecido de Brito (2015-2016)

Valdenir José Socoloski 2017-2018

Nelson Luiz Franco (Presidente do Legislativo 2019/2021)

 

 

 

 

 

 

Lei 4788 – 29 de Novembro de 1963

Publicado no Diário Oficial no. 221 de 30 de Novembro de 1963

 

Súmula: Cria os municípios de Diamante do Norte, Japurá, Mariluz, Nova Cantú, Paula Freitas, Pôrto Vitória, Quinta do Sol, Salgado Filho, São Pedro do Paraná, Santa Izabel do Oeste e Tapejara.

 

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei:

 

Art. 1º. Fica criado o Município de DIAMANTE DO NORTE, desmembrado do Município de Nova Londrina, com sede na localidade do mesmo nome e divisas do atual Distrito Administrativo.

 

Art. 2º. Fica criado o Município de JAPURÁ, desmembrado do Município de São Tomé, com sede na localidade do mesmo nome e divisas seguintes:

começa no rio Ivaí, na foz do Rio dos Índios, sobe por êste até encontrar a estrada Jaracatiá, por esta, na direção geral Sudeste, até encontrar a estrada Cristal, seguindo por esta, na direção geral Este, até alcançar o Rio Ivaí, descendo por êste até a foz do rio dos Índios, ponto de partida.

 

Art. 3º. … Vetado …

 

Art. 4º. Fica criado o Município de MARILUZ, desmembrado do Município de Goio-Erê e com as divisas seguintes:

I – com o Município de Cruzeiro do Oeste: começa na foz do Ribeirão Pinhalzinho 2º, no rio Goio-Erê, subindo por êste até encontrar o ponto de intercessão entre as divisas das Glebas 12 e 16 da Colônia Goio-Erê;

II – com o Município de Moreira Sales: começa no Rio Goio-Erê, no ponto de encontro da divisa entre as Glebas 12 e 16 da Colônia Goio-Erê, seguindo pela referida divisa em sentido Sul, até encontrar o braço do Rio do Salto;

III – com o Município de Goio-Erê: começa no Rio do Salto, no ponto de encontro da divisa das glebas nºs 12 e 16, da Colônia Goio-Erê, segue pela Água do Salto, até encontrar a Água Branca; daí segue em linha sêca, no rumo Oeste, até encontrar o Rio Goio-Erê;

IV – com o Município de Formosa do Oeste: começa na foz do Ribeirão Água Branca, no Rio Piquiri, descendo por êste até a foz do Rio Goio-Erê;

V – com o Município de Alto Piquiri: começa no rio Goio-Erê, no ponto de encontro que vem rumo Oeste, subindo até encontrar a foz do Rio São Tomé;

VI – com o Município de Umuarama: começa na foz do ribeirão Pinhalzinho 2º.

 

Art. 5º. Fica criado o Município de NOVA CANTÚ, desmembrado do Município de Roncador, com as divisas seguintes:

I – com o Município de Mamburê: começa na foz do Rio Saracura, no rio Gôio-Bang, sobe por êste até encontrar a divisa da Gleba 6, da Colônia Gôio-Bang com as terras de Manoel Mendes de Camargo;

II – com o Município de Roncador: começa no rio Gôio-Bang, no ponto de encontro entre as divisas da gleba 7, da Colônia Cantú, com as terras de Manoel Mendes de Camargo, segue pela referida divisa em sentido Sueste, até alcançar o rio Paratium, donde desce até sua foz no Rio Azul, e daí até a foz dêste, no Rio Cantú;

III – com o Município de Palmital: começa na foz do Rio Azul, no Rio Cantú, desce êste até a foz do Rio Caratuva;

IV – com o Município de Campina da Lagoa: começa no Rio Cantú, na foz do Rio Caratuva, sobe por êste até alcançar a foz do Ribeirão Irerê, subindo por êste até sua cabeceira, denominada Água Borboleta, e daí em linha reta e sêca, alcança a cabeceira do Rio Saracura, donde desce até sua foz no rio Gôio-Bang.

 

Art. 6º. Fica criado o Município de PAULA FREITAS, desmembrado do Município de União da Vitória, com as atuais divisas Administrativas e Judiciárias do Distrito do mesmo nome.

 

Art. 7º. Fica criado o Município de PÔRTO-VITÓRIA, desmembrado do Município de União da Vitória, com as atuais divisas Administrativas e Judiciárias do Distrito do mesmo nome.

 

Art. 8º. Fica criado o Município de QUINTA DO SOL, desmembrado do Município de Fênix com as divisas seguintes:

I – com o Município de Itambé: começa na foz do Rio Mourão, no Rio Ivaí, sobe por êste até a foz do Córrego Roncador;

II – com o município de Fênix: começa no Rio Ivaí, na foz do Córrego Roncador, sobe por êste até a sua cabeceira mais alta, seguindo daí, no sentido Oeste, por uma linha sêca, até encontrar a linha de divisa entre as Glebas 6 e 8, da Colônia Mourão;

III – com o Município de Peabirú: começa no ponto de encontro da linha Oeste, que vem da cabeceira mais alta do Córrego Roncador, com a linha de divisa entre as Glebas 6 e 8, da Colônia Mourão, segue por esta linha no sentido NO, até alcançar o Rio Mourão;

IV – com o Município de Engenheiro Beltrão: começa no ponto de encontro da linha de divisa entre as Glebas 6 e 8, da Colônia Mourão, com o rio Mourão, descendo por êste até a sua foz no Rio Ivaí.

 

Art. 9º. Fica criado o Município de SALGADO FILHO, com sede na localidade do mesmo nome e divisas seguintes:

I – com o Município de Barracão: começa na cabeceira do Arrôio São Bento, até o Rio das Águas, até encontrar-se com o Rio Capanema;

II – com o Município de Santo Antonio: vetado …

III – com o Município de Francisco Beltrão: … vetado … seguindo pelo divisor das águas, até encontrar a divisa com o Estado de Santa Catarina, até o Arrôio São Bento.

 

Art. 10. Fica criado o Município de São Pedro do Paraná, desmembrado dos Municípios de Loanda e Pôrto Rico, com sede na localidade do mesmo nome e divisas seguintes:

começa no Rio Paraná, na divisa entre os lotes 4 e 5, da Gleba nº 20, da Colônia Paranavaí; segue por essa divisa até encontrar o lote nº 63, da mesma Gleba, município de Pôrto Rico; segue entre as divisas dos lotes 63 e 64, Fazenda dois Marcos, até a estrada principal que liga a cidade de Pôrto Rico e Santa Cruz do Monte Castelo; segue por essa estrada principal até encontrar o lote nº 45, da Gleba nº 20 da Colônia Paranavaí, e o lote 446-A, da Gleba Paranapanema; daí segue a divisa entre os lotes 45, Gleba 20, Colônia Paranavaí, e 446-A, Gleba Paranapanema, até encontrar o Ribeirão São Pedro; sobe pelo Ribeirão São Pedro, até sua nascente, na divisa da Gleba 16, Colônia Paranavaí; segue pela divisa entre as Glebas 20 e Paranapanema, até encontrar a estrada principal que demanda a Loanda; segue por essa estrada principal, até encontrar o Córrego Atibaia; desce por êste até encontrar o lote nº 255, Gleba Paranapanema, e segue pelo mesmo até encontrar a estrada, que liga Pôrto São José a Loanda; segue por esta divisa do lote 305 Gleba Paranapanema, até encontrar o Ribeirão Areia Branca e desce por êste até sua foz no rio Paraná, desce pelo rio Paraná até encontrar a divisa entre os lotes 4 e 5, da Gleba 20, da Colônia Paranavaí, ponto de partida das presentes divisas.

 

Art. 11. Fica criado o Município de SANTA IZABEL DO OESTE, com sede na localidade do mesmo nome e divisas seguintes:

começa na barra do Rio Sarandizinho com o Rio Ampére, descendo por êste até o Lageado Anta Gorda, sobe por êste até encontrar o primeiro afluente à esquerda; por êste até a sua cabeceira, daí por linha reta sêca, até encontrar o afluente mais alto do Rio Jacutinga e, por êste, até a barra com o Rio Cotegipe; por êste acima, até encontrar a estrada geral que liga Francisco Beltrão com Ampére; daí por esta mesma estrada, até encontrar o marco 53, e dêste por uma estrada que liga a Santa Isabel do Oeste, até encontrar o Rio Sarandizinho, no local da serraria de Antonio Campos, e daí pelo Rio Sarandizinho abaixo, até encontrar a barra do Rio Ampére, ponto de partida.

 

Art. 12. O Município de Tapejara, criado pela lei nº 4.738, de 6 de julho de 1963, passa a ter as divisas seguintes:

começa no rio Tapiracui, na foz do córrego Capricórnio; sobe por êste até encontrar a divisa entre os lotes 69 e 73, da Gleba 3, do Núcleo Cruzeiro; daí pela divisa entre os lotes 73 e os lotes 70, 71 e 72, da mesma Gleba, até encontrar a rodovia oficial que liga Cianorte a Cruzeiro do Oeste, seguindo por esta estrada, em direção geral do Este, até encontrar a divisa entre os lotes 13 e 13-A da Gleba nº 1, do Núcleo Cruzeiro; segue por esta divisa até encontrar o rio Areia, continuando por êste até a foz da Água dos Andradas; sobe por esta até a sua cabeceira e daí em linha reta com o ponto mais próximo das terras de propriedade da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná; segue pela divisa das terras da referida Companhia, até encontrar a nascente do Ribeirão São Vicente, e por êste até a sua foz, no rio dos Índios, descendo por êste até a foz do córrego do Vasco; segue por êste até a sua cabeceira e daí, em linha reta, até encontrar a cabeceira da água do Macaco; desce por esta até a sua foz, no Ribeirão Tapiracui, descendo por êste até a foz do córrego Capricórnio, ponto de partida.

 

Art. 13. Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

PALÁCIO DO GOVÊRNO EM CURITIBA, em 29 de novembro de 1963.

 

Ney Braga

Affonso Alves de Camargo Neto

 

 

Dados Gerais
Sigla:
Gentílico: Paula-freitense
DDD: 42
CEP: 84630-000
Aniversário: 08 de Dezembro
Feriados Municipais
04/11 Padroeiro São Carlos Borromeu
08/12 – Aniversário da Cidade
Prefeito:
Valdemar Antonio Capeleti

Indicadores
IDH: 0,717 (2010)
PIB: R$ 233.124.000,00 (2014)
PIB per capita: R$ 40.635,18 (2014)

Geografia
População: 5.808 hab (2016)
Densidade: 12 hab/km²
Bairros: 5
Área urbana: km²
Área total: 421 km²
Altitude: 748 m
Clima: Subtropical Úmido
Região: Sudeste Paranaense
Distância da capital: 224 km